Ildaborges’s Blog

Just another WordPress.com weblog

Cursos superiores e mercado de emprego

Não venho aqui deixar uma teoria ou uma solução. Apenas porque é um problema que nos toca na pele, particularmente quando os nossos filhos têm de fazer uma escolha com reflexo na sua vida futura.

Descontadas as inevitáveis (?) condicionantes determinadas pelas médias do Ensino Secundário, qual o curso que se deve escolher?

Aquele para o qual se tem “vocação” ou maior motivação?

Aquele que “parece” ter mais probabilidades de ingresso no mercado de trabalho?

É claro que o ideal seria juntar as duas hipóteses.

Mas quem, que especialista em política ou em economia, ou que organismo público ou privado, pode dar uma indicação dessas, mesmo para um prazo de três ou cinco anos?

E será isso possível?

É que se ouve tanta gente defender o numerus clausus, pelo menos em determinados cursos, que, por vezes, ficamos com a dúvida da existência de interesses corporativos, escondidos nessa defesa…

Deixo apenas a questão.

Outubro 20, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

A Fundação Eça de Queiroz na América Latina

Nunca é demais realçar o dinamismo da Fundação Eça de Queiroz, numa dupla vertente: constituir-se como principal ponto de atracção de visitantes no concelho de Baião e um dos principais em toda a região (turistas e alunos das escolas de níveis diferentes), e projectar a obra queirosiana e a cultura portuguesa ao nível nacional e internacional.

São disso exemplo as notícias de que, só até ao final de Setembro, o número de visitantes, em 2010, já tinha ultrapassado os 8.500, e os programados colóquios internacionais, este ano para a América Latina, começando já pelo Brasil em 8 e 11 de Novembro de 2010, respectivamente no Rio de Janeiro e no Recife.

Terras onde parece que o escritor é mais lido e apreciado do que, infelizmente, em alguns meios do nosso país.

Por isso, mais uma vez, parabéns à Fundação!

E, vamos lá, quem não visitou ainda a Casa de Tormes, que serviu de pretexto para a melhor descrição e louvor à nossa paisagem, de que está à espera?!

Outubro 17, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

Outra vez a Escola Secundária de Baião!

Pois. É a segunda vez que deixo aqui uma referência à Escola Secundária de Baião! E como é óbvio por um bom motivo…

De passagem pela papelaria, alguém disse, do lado: já viram no JN a classificação da nossa Escola Secundária no ranking nacional?!

E a curiosidade teve como resposta umas grande satisfação e um bom motivo de orgulho: uma das melhores da região, com nota positiva e nos primeiros 25% a nível nacional.

Se é verdade que a Educação constitui um dos principais factores de desenvolvimento pessoal e comunitário, mais uma razão especial para, tentando sempre fazer mais e melhor, felicitar todos os responsáveis por este sucesso.

E também mais uma  razão para nos congratularmos com as obras de beneficiação que a escola vai ter, num dos maiores investimentos do concelho.

Outubro 16, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

O poder da solidariedade. “Vamos ajudar a pequena Inês!”

 Este é mais um exemplo a demonstrar que a solidariedade pode mover montanhas.

A pequena Inês, que acaba de fazer seis anos, tem um problema que a impede de ser autónoma, não consegue andar, tem dificuldade em  levar os alimentos à boca…

Depois de muitas tentativas, surgiu uma esperança, que já começou a ser realizada: um conjunto de tratamentos que terão de passar também por um tratamento especial, de três meses, em Cuba (operação aos pés, Fisioterapia, Terapia da fala e Terapia Ocupacional).

E é maravilhoso como um grupo de solidariedade, liderado pelo Marco Monteiro, que se juntou para a necessária angariação de fundos, realizou já diversas actividades por todo o concelho de Baião, nomeadamente em colaboração com as Juntas de Freguesia, sendo já quase os 1 500 amigos na página do Facebook , criada para o efeito.

Seja um deles!

Também foi aberta uma conta especial, em nome da pequena Inês, no Crédito Agrícola de Baião, com o NIB: 004513504023248575449

Colabore da forma que puder!

“Hoje, pela pequena Inês, amanhã por qualquer um de nós”!

Outubro 16, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

Promoção Integrada dos Produtos Locais “Douro Verde”

Sendo minha ideia realçar iniciativas positivas, por vezes mesmo exemplares, da nossa região e, sobretudo – como já disse aqui uma vez – chamar a atenção para um espírito de colaboração integrada de vários agentes, públicos e privados, entendi deixar, neste espaço, a referência ao”Centro de Promoção de Produtos Locais – Douro Verde”, que, em boa hora reabriu as suas portas, na Rua de Camões, em Baião, prevendo-se iniciativas semelhantes nos concelhos vizinhos.

É uma iniciativa da Cooperativa Dólmen, que abrange os concelhos de Amarante, Baião, Cinfães, Marco de Canaveses, Penafiel e Resende, que constituem o território “Douro Verde” e que esteve recentemente representado em certames internacionais, visando um público transfronteiriço que nos é mais próximo.

Mais concretamente, na Galiza (Silleda) e em Castela-Leão (Salamanca).

O objectivo é divulgar os nossos vinhos de excelência, o nosso artesanato e a nossa sub-região como destino turístico.

Parabéns aos organizadores!

Setembro 30, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

Novo Curso Internacional de Verão na Fundação Eça de Queiroz

 

  A Fundação Eça de Queiroz vai promover, pela 12ª vez o seu Curso Internacional de Verão.

Por razões facilmente compreensíveis, os conteúdos a tratar este ano terão como tema “Da Geração de 70 à República: práticas e estéticas de debate ideológico”.

O Curso será constituído por 25 horas lectivas e é destinado a estudantes de licenciatura e de pós-graduação de Universidades portuguesas e estrangeiras, assim como a professores e investigadores em geral.

Coordenado pela Prof. Doutora Isabel Pires de Lima, terá lugar em Tormes desde o dia19 até ao dia 23 de Julho.

Mais informações (bolsas de estudo…), em www.feq.pt.

Junho 14, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe o seu comentário

A “NATIONAL GEOGRAPHIC” em Baião

A “NATIONAL GEOGRAPHIC” esteve em Baião!

A dar conta do nosso património arqueológico.

Esgotada nos quiosques, no passado mês de Maio, aqui deixo a referência, com a devida vénia!

Um bom motivo para visitarem os monumentos megalíticos do magnífico planalto da Serra da Aboboreira!

E o nosso Museu Municipal!

Sejam Bem-vindos!



Junho 8, 2010 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Uma vez mais os alunos da Secundária de Baião “deram cartas”!

Há dias, foi a participação, no Auditório Municipal, em colaboração com a Autarquia, alunos do primeiro ciclo e duas Universidades, numa conferência a propósito do Centenário da República.

Agora, viu-se todo um trabalho de cuidada preparação, para dar àqueles que tiveram o privilégio de assistir, uma imagem daquilo que foi uma época centrada nos “loucos anos 20”.

A recriação de cenários e ambientes, numa sequência de quadros bem seleccionados e ilustrativos, cheios de ritmo e cor, estava muito bem conseguida. Dizem todos os que viram, como eu.

De resto, a juntar a alguns momentos bem divertidos, que fizeram passar a boa disposição por toda assistência, pode dizer-se que todos estiveram bem e houve até a verdadeira revelação de alguns “talentos”.

Como também ouvi dizer a vários presentes: pena é que tanto esforço e qualidade se fiquem apenas por duas representações, na nossa Vila!

Não haveria possibilidade, fora do tempo de exames, de algum intercâmbio com outros locais e Escolas?!

De qualquer modo, parabéns a alunos, professores e a todos quantos contribuíram para mostrar, mais uma vez, que os jovens de Baião, quando querem e lhes são proporcionadas oportunidades, até “dão cartas”!

…momentos:

Junho 2, 2010 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários

“Casas para todos?…”

A “Casa do Silvério”

“- E as casas também (…) Era necessário uma reforma! Construir casas novas a todos os rendeiros da quinta…

– A todos?… – O Silvério gaguejava – emudeceu.

(…)

-A! Vossas Excelências riem? Casas para todos, mobílias, pratas, bragal, dez contos de réis! Então também eu rio! Ah! Ah! Ah!”

(Idem)

 Jacinto, que já antes se preocupara com a saúde dos caseiros, preocupava-se também com as suas condições de habitação. Uma habitação com dignidade.

 O certo é que, sendo este o sonho do próprio escritor, ele veio a concretizar-se, primeiro através dos seus descendentes, pela sua filha Dª Maria d’ Eça e depois por seu neto D. Manuel de Castro.

 Isto, para não falar do “movimento” que, com o mesmo sentido foi criado para todo o concelho, com raízes em Tormes, e que veio a dar origem à Obra do Bem Estar Rural de Baião.

Mas isso é outra história.

 O que importa é que se reafirme que ruralidade e modernidade não se opõem, antes se completam.

 E é também nesse espírito, de uma leitura assim, de A Cidade e as Serras, que nasceu a Fundação Eça de Queirós.

Dezembro 20, 2009 Posted by | FEQ, Património, Região | Deixe o seu comentário

Jacinto “criativo e empreendedor”

 E o meu Príncipe, encadeando logo nessa inspirada ideia outra, mais rica e mais vasta, lembrou quanta beleza daria a Tormes encher esses prados, esses verdes ferregiais, de manadas de vacas, formosas vacas inglesas, bem nédias e bem luzidias. Hem? Uma beleza. Para abrigar esses gados ricos, construiria currais perfeitos, de uma arquitectura leve e útil, toda de ferro e vidro, fundamente varridos pelo ar, largamente lavados pela água…Hem? Que formosura! Depois, com todas essas vacas, e o leite jorrando, nada mais fácil e mais divertido, até mais moral, que a instalação de uma queijeira, à fresca moda holandesa, toda branca e reluzente, de azulejos e de mármore, para fabricar os Camemberts, os Bries…Os Coulomiers… Para a casa, que conforto! E para toda a serra, que actividade!

– Pois não te parece, Zé Fernandes?

                                                                    (Idem)

 Para quem tenha lido mais distraidamente “A Cidade e as Serras”, pode dar-se o caso de ficar a ideia de que, neste livro, se faz a apologia de uma ruralidade onde o progresso não teria lugar, e o que importa é manter a paisagem inalterável, uma espécie de “museu” para turista ver.

Ora, como se vê, não era esse o “sonho” de Jacinto para a sua quinta nem para a sua vida por estas paragens.

Ruralidade não se opõe a modernidade. Pelo contrário.

E não é por acaso que o nosso herói se apressou a instalar alguns dos confortos da cidade, que não podia dispensar: o telefone, por exemplo.

Dezembro 3, 2009 Posted by | FEQ, Património, Região | Deixe o seu comentário

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.